26.11.06

20 aninhos...

DSC00232
bolo
Pois é meus amigos, aqui a "je" já não tem um 1 à frente no número de anos vividos, já tem o 2.. É um sentimento estranho. Quando me diziam eu nem queria acreditar, ou melhor, eu nem ligava, mas é a pura das verdades. Os anos voam. Ainda ontem me lembro de ter feito 18 e já vou nos 20, e pelos vistos daqui para a frente vai ser sempre assim de uma extrema velocidade.

Nestes anos todos passei por muitas coisas. Vivi uma infância brilhante, cheia de momentos encantadores. Nem imaginam a saudade que eu tenho daqueles tempos de criança, inocentes, de todas as brincadeiras. Voltaria a repetir tudo que fiz! Há coisas que ficam para sempre na memória. Uma vez a minha mãe lembrou-se de meter mais um colchão na cama, e o que é que aconteceu? Pois, durante a noite caí abaixo e bati com a cabeça no canto da mesinha de cabeceira. Resualtado final; tenho uma falhazinha na sobrancelha direita. Há temporadas que não se nota nada (mais nos verões) e outras que se nota bastante.


Outra coisa que também me marcou foi o atropelamento que tive por uma motorizada. Estava eu descansadinha da minha vida na casa de uns vizinhos quando de repente ouço do outro lado da rua a minha melhor amiga (naquela altura, pois desde que se mudou de lá nunca mais soube dela) a chamar por mim, pois estavámos chateadas. E eu então lá ía, só que como na rua os rapazes estavam a jogar à bola eu só olhei para o lado de baixo e como não vinha ninguém, e eu ouvia o barulho deles decidi atrevessar a rua. Maldita hora. Só me lembro de me pôr a pé, chorar e ir directamente para casa! Eu ainda fui ao hospital, a minha mãe e umas vizinhas fizeram questão, mas felizmente não tive nada. Agora o Sr. da mota ainda sofreu qualquer coisa num ombro. Ele também não tinha nada de andar com a mota sem o motor ligado!

Outro episódio passou-se na escola da Mota, andava eu na segunda classe. Eu passava as horas de almoço mais uns quantos colegas lá, e no fim íamos sempre "brincar", até que num dia uma colega me pediu para lhe guardar o lugar num coisito de ferros onde dávamos umas cambalhotas, e eu disse-lhe que sim. Para não se preocupar. Contudo uma outra rapariga chegou, e perguntou-me se podia ir para lá, e eu respondi-lhe que sim, mas quando a outra colega chegasse teria que sair, mas não é que quando a outra chega começou logo a implicar comigo e mordeu-me no meu braço esquerdo!? É que nem me quis ouvir! Os meus amigos queriam todos que eu fosse fazer queixa aos professores mas eu não tinha coragem. Até que o meu primo Ni e os outros me arrastaram até à sala dos professores. Só me lembro de chorar, chorar, é que aquilo doeu e de que maneira. Em seguida na sala de aula vira-se a directora de turma: "Temos uma cadela dentro da sala de aula e a Cidália vai-nos dizer onde é que ela está." E não é que eu pensei mesmo numa cadela? E a stora referiu-se à rapariga que me tinha mordido. Fiquei envergonhada.

Depois, com oito aninhos tive de abandonar o meu país, rumei com a minha minha mãe e o meu irmão para aqui, sim, porque o meu pai já se encontrava por cá. E eu toda a contente por conhecer uma nova terra, novas pessoas, nova língua. E eu hoje mortinha por regressar. As voltas que a vida dá!

Entretanto o meu irmão casou, e logo com uma Cidália. Ele sempre disse que o meu nome era foleiro. Foi bem-feita para ele, ahaha!

Acabei por fazer toda a escola obrigatória, e sempre com notas maiores que a média. Há coisa de meses acabei o meu curso, formei-me em Relações Públicas, na vertente de Administração, Comunicação e Informática. Desta forma sinto-me realizada, tive a possibilidade de ficar na empresa onde fiz o estágio de curso.

Os piores momentos foram sem qualquer dúvida o
falecimento do meu avô António, da minha avó Custódia (mais conhecida por Borralheira), e o da minha prima Isabel. Tenho-os bem juntinhos de mim, sempre no meu coração!

Deixando agora as tristezas de lado e passando para a maior alegria que foi o nascimento da minha sobrinha, que agora tem 6 aninhos. É que quando ela nasceu toda a gente dizia que era parecida comigo de cara (tia babada).

Bem, agora tenho 20 anos, sinto que vou ter mais responsabilidades, e isto assusta-me de uma forma ou outra. É que eu ainda me sinto como se tivesse 17, no meu Mundo imaginário (isto já me parece a Floribella).
Que seja o que Deus quiser!

4 comentários:

.:cm_:. disse...

lol
és uma doidinha...
e sim, agora o tempo vai "voar"... eu tb ainda á pouco tinha 18 :(
mas gostei da retrospectiva desses teus 20 aninhos...
:*

Anónimo disse...

oi
ao ler isto assustei-me... é que aqui o parolito com a mania que é comico um dia destes tambem chega aos 20... nem quero pensar muito nisso... mas soa de maneira estranha dizer que tenho 20 anos...

bjs
fica bem

Anónimo disse...

N?o tens qe agradecer pelos parabe'ns meninaa :)
Gostei muito do teu blogspot, se n?o te importares vou-te adicionar nos meus links ok? ;D
Espero qe tambe'm faças o mesmo ;)
Beijinho *

noname disse...

a parte da floribella LOOOOL!
foi engracada a tua historia de vida, mas vais ver que ainda tens muuuuito mais para viver.

20?oh ja viste se achas que com 20anos estas velha imagina uma pessoa q chega aos 30, e depois aos 40 e depois...e depois...e depois!

APROVEITA bem e deixa correr:p
Beijoca! da manusca Dri.
*