21.2.18

A vida com V grande

Podemos até, de vez em quando, olhar pelo retrovisor.
Mas a vida, com V grande, vive-se a olhar em frente. Sempre.

20.1.18

Quem costuma ir a espectáculos?

Alerta àqueles que geralmente compram bilhetes para espectáculos em Portugal:

- 14 de Agosto de 2017: Efectuei uma compra através da Blueticket, para dois bilhetes Golden Circle da Shakira - El Dorado World Tour, que se iria realizar na Altice Arena, a 22 de Novembro de 2017.

- 14 de Novembro de 2017: A Shakira anuncia nas suas redes sociais o cancelamento dos seus concertos pela Europa, a somente uma semana do evento de Lisboa, por motivos de saúde. Ok, o comprador tem obrigação de aceitar. Mas o comprador não é informado pela empresa que gere a bilheteira, nem pela promotora do evento (a Ritmos e Blues). Não enviaram e-mail aos que compraram online. Nicles. Se eu não seguisse a cantora na Internet, ia até à Altice Arena em vão.

- 27 de Dezembro de 2017: Um mês e meio depois, a Shakira anuncia nas suas redes sociais o seu regresso aos palcos europeus. Remarcou o concerto de Lisboa para o dia 28 de Junho de 2018. O comprador, de novo, não recebe nenhum e-mail com a informação por parte das entidades gestoras. O comprador vai até aos sites verificar se é mesmo verdade. É. Lê-se no comunicado que os bilhetes adquiridos serão válidos para a nova data.

- 9 de Janeiro de 2018: Passa-se uma semana e pouco e o comprador faz contas à Vida, a ver se a nova data lhe convém. Vai pesquisar sobre a forma de um possível reembolso. A única coisa que está visível na páginas: "Informamos que os bilhetes adquiridos serão válidos para a nova data." Aquilo que já se sabia desde que a colombiana se viu obrigada a cancelar a primeira data. Não se encontra mais nada nas páginas oficiais. Nem no bilhete. Nada (que por acaso também é um título de uma música da mulher do Piqué).

- 10 de Janeiro de 2018: O comprador (eu) toma a liberdade de enviar um e-mail para a Blueticket, para certificar-se de como funciona a devolução do valor dos dois bilhetes, caso não consiga marcar presença, e até quando isso é possível fazer.

- 11 de Janeiro de 2018: Logo no dia a seguir o comprador recebe uma resposta. É possível o reembolso, precisamente, até aquele mesmo dia, o 11 de Janeiro 2018.

- 14 de Janeiro de 2018: O comprador vai até à caixa de e-mails, não foi antes, e fica incrédula ao perceber que o dia pretendido já tinha passado. Quer-se dizer, nada está exposto sobre o assunto. Não há transparência. E o tempo limite para pedir um reembolso é de 10 dias úteis? A sério? Estamos a falar de um concerto que se irá realizar em Junho, daqui a 5 meses? E o mês e meio de espera que os compradores tiveram em relação à actividade/não actividade da cantora não conta?

- 15 de Janeiro de 2018: O comprador responde ao e-mail da Blueticket, a contar o sucedido, a verdade, que só no dia anterior é que viu a resposta, e se ainda dava para abrir uma excepção no caso, visto que passou apenas 1 dia útil do limite.

- 15 de Janeiro de 2018: Ainda no mesmo dia o comprador recebe uma “nega” como resposta. A Blueticket informa que a promotora Ritmos e Blues não aceitou o pedido de reembolso.

Isto é ridículo. Uma pessoa a tentar fazer as coisas direitas e com a devida antecipação (achava eu!) porque não viu a informação que pretendia em lado algum. E daí o pedido. E é tratada desta forma? Acho lamentável e injusto. Se querem brincar, que vão brincar para outro lado! Que aprendam com as entidades estrangeiras, principalmente as da Europa, que são as que eu tenho experiência. Elas são muito claras nestes casos.

5.1.18

Showcase privado

Dois anos e meio depois da última tête-à-tête, e um ano depois da última vez que o ouvi ao vivo. E ele, o Pablo Alborán, o jeitoso do costume, não é que me reconheceuuu? E eu fiquei de boca aberta, com cara de parva, a olhar para ele. Até que de repente tinha-o, todo feliz da Vida, a cumprimentar-me e a abraçar-me (quase que me ia esmagando), e a dizer-me ao ouvido “Mi amor, como estás?!”. Só mesmo ele! E ele é muito mais de que um gajo cheio de pinta: Escreve letras muito bonitas (são todas de sua autoria), inova, cria diversos estilos de música, toca vários instrumentos e canta, canta maravilhosamente bem. Aquela sua voz peculiar com influência da Andaluzia leva-nos para um lugar que não sabemos onde fica, faz-nos sonhar e acreditar. No amor… perfeito. E eu considero-me uma sortuda por tê-lo descoberto quando apareceu, quando iniciou o seu percurso na música, quando lançou o seu primeiro álbum em 2011 (já vai com 4 de originais, 1 de acústico, 1 de concerto), por ele já ter agradecido publicamente a minha presença durante um concerto, por ele já me ter colocado num videoclip, por ele já ter soltado uma gargalhada em palco por minha causa, por ele já ter cantado uma estrofe completa com os olhos postos nos meus, por ele já me ter piscado o olho durante uma actuação ao piano, por ele já ter apontado com o braço todo aberto para mim e uma amiga numa canção, por ele já me ter colocado nos ecrãs de fundo de uma música na última tournée que deu, por já nos termos encontrado fora dos palcos e dos aeroportos, etc. etc. etc… (que eu não quero alongar mais isto), mas o mais importante de tudo é por ele continuar a saber quem eu sou. 😊 E agora deixa-me imensamente satisfeita saber que continua a ter sucesso e que mais gente se rende ao seu enorme talento. É o artista que mais vendeu em Espanha nos últimos anos! Não é qualquer um, que chega e vence. Olarilas.

2.1.18

2018 vais ser bonzinho, não vais?

Em Setembro não deu mais, tive um colapso, um esgotamento nervoso. O meu antigo chefe sempre me disse que eu era muito boa a auto-avaliar-me, e de facto, o 2017 em termos pessoais, psicológicos para mim foi péssimo. Nunca me tinha visto assim. Eu não era eu. E as pessoas que me rodeiam e me rodearam (sim, houve quem me fechasse com a porta na cara), elas, notaram e levaram com o meu mau humor, com o meu comportamento apático, estranho.

Em Outubro andei a tratar-me. E a aproveitar os últimos raios de sol de Verão.

Em Novembro comecei a erguer-me, mas a minha tendinite no meu braço esquerdo não me deu tréguas. Tive dores terríveis todo o santo mês. Mas ainda deu para ir de férias. Fui festejar os meus anos a Lisboa & Sintra!

Em Dezembro tive um encontro privado com o meu espanholito aka Pablo Alborán, em prol disso fui a dois programas de TV (Estúdio 24 e ao The Voice), tive dois fins-de-semana com as minhas amigas. Fui novamente a Lisboa e ainda deu para conhecer Almada. A minha tendinite largou-me. Não a senti sequer! Não fiz nada, nada. Evaporou-se. Ou como costumo dizer na brincadeira, foi um milagre chamado Pablo que quando meu viu me deu um abraço gigante que quase me ia esmagando. Lol

Depois de dois anos, voltei a sentir-me EU. E foi assim que eu entrei em 2018. A Cidália de antigamente está finalmente de volta! E digo-vos, tinha tanta, mas tantas saudades minhas. Que isto não seja passageiro, seja mesmo verdadeiro. Permaneça. Eu acredito.

11.12.17

Os meus perfumes # 3

 MEU by Cristina Ferreira
MEU, Cristina Ferreira: Notas de benzoína, doce ládano e a cítrica bergamota. Um aroma cativante e irresistível. (39.90 Eur / 50ml)
10822a
Wonderlust, Michael Kors: Cativante, confiante e sempre sexy, Wonderlust invoca um desejo pela vida, onde a beleza, espontaneidade e sensualidade são o destino final.
Uma mistura de buques luxuosos com notas apimentadas, Wonderlust desperta os sentidos. (86 Eur / 50ml)


ddfcndw_aedt10_01-o__12
Night Dive, Davidoff Cool Water: Traz a magia do mar à noite. Ele vem com a sensualidade e feitiço que as águas marítimas possuem. Fragrância perfeita para ser usada à noite. (53 Eur / 80ml)

# Imagens retiradas do Google

4.12.17

Portugal está on fire

Primeiro somos Campeões da Europa em futebol, depois ganhámos um Secretário-geral nas Nações Unidas, seguimos com a vitória do Salvador Sobral na Eurovisão... e agora temos um português como Presidente do Eurogrupo. Nada mau.